Skip to main content

Eles Mudaram, e Você?

Por Adriano Braga*

Não é novidade pra ninguém que a tecnologia chegou com tudo aos nossos dias. Vem chegando numa velocidade assustadora e está mudando nossas vidas sem percebermos. O mundo está se acelerando mais a cada dia que passa. O senso de urgência impera. As pessoas estão cada vez com menos paciência e tolerância a processos que os façam perder segundos preciosos. A tecnologia vem mudando até a maneira de nos relacionarmos e interagirmos com as outras pessoas. Temos um número absurdo de amigos e seguidores nas redes sociais, falamos pessoalmente com menos de 1% deles. Mas o interessante é que podemos saber detalhes da vida de todos. Onde estão, o que estão fazendo ou até comendo! A tecnologia mudou os homens e as crianças. Eu brinco que hoje em dia, as crianças não nascem com entrada USB por detalhe.Se a tecnologia mudou tudo e todos, porque não mudaria o comportamento de consumo? Eu atribuiria à internet e principalmente aos smartphones, um alto grau de importância na lista das maiores invenções que mudaram o curso da humanidade.

 Com a informação na palma da mão, onde quer que ele esteja, o consumidor passou a deter o poder no processo de compra e a ser o protagonista da mesma. Quando, onde, quanto e como eles querem comprar? Hoje, quem conseguir atender os anseios e desejos de consumo é que terá nas mãos um diferencial de mercado. A era onde o consumidor era refém de um varejo local acabou! As fronteiras foram rompidas, a oferta aumentou e a informação virou commodity. Qualquer consumidor consegue informações completas sobre qualidade, preço, tendências, garantias e experiências de consumo positivas e negativa. O incrível é que eles podem obter estas informações dentro dos pontos de venda antes de tomarem a decisão de compra.

Até o final de 2014, serão 45 milhões de smartphones habilitados no Brasil. Com isso, em alguns seguimentos do varejo, é possível perceber uma concentração grande de consumidores denominados Showroomers.Consumidores que utilizam as lojas físicas como showroom e efetuam as compras no canal virtual. É claro que um dos grandes responsáveis pelo surgimento deste perfil de consumidores é o próprio varejista ao entregar vantagens diferenciadas em seus canais de consumo. Oferecer descontos diferenciados principalmente em suas lojas virtuais. Criou-se a cultura: “Vamos ver no site que pode ser mais barato.” O grande desafio do varejo mundial é reverter este quadro com estratégia e alinhamento dos canais de compra da empresa. A este movimento chamamos de omnichannel. Mas não basta alinhar e oferecer as mesmas vantagens em todos os canais de compras. É preciso conceber espaços comerciais que proporcionem experiências positivas de consumo muito além de qualidade e preço. É preciso entregar mais valor para tornar as lojas físicas desejáveis e frequentáveis. E ai…você já mudou para acompanhar seu consumidor?

*Sócio Proprietário e Diretor de Estratégia na empresa Upper Design #upperdesign

Acompanhar o consumidor é fundamental para todo o varejista e o texto do Adriano é ótimo para os lojistas refletirem e buscarem as alternativas para se manterem crescendo no mercado.

Aline Autran de Morais

Mestre em Administração com linhas de pesquisa em Omnichannel; Inovação em Marketing para o varejo; Marketing Digital; Gestão de Fornecedores. Especialização em Marketing, MBA em Gestão de Varejo e Gestão Empresarial. Mais de 20 anos de experiência em varejo de moda, tendo atuado como Gerente de Produto e Gerente de Gestão de Fornecedores na Lojas Renner, Gerente de Supply e Operações na Uatt?. Sócia-proprietária da Ideiamais. Professora UniRitter e ESPM Sul.