Skip to main content

Insights da 6ª Feira Brasileira do Varejo

A 6ª edição da Feira Brasileira do Varejo e o Congresso Brasileiro do Varejo, realizados pelo Sindilojas Porto Alegre, que aconteceu na Fiergs de 28 a 30 de maio, trouxeram alguns insights interessantes para a inovação no varejo. Com a presença de vários palestrantes e com Trend Store, loja conceito do varejo, foi possível identificar que temos muito a desenvolver, mas já estamos avançando em questão de tecnologia, contudo, não podemos esquecer-nos do lado humano e nem dos valores e posicionamento que toda a empresa deve ter.

Em questão de tecnologia e inovação, a Trend Store trouxe soluções para promover experiência ao consumidor e munir a empresa de informações sobre seus hábitos e consumo. Tem câmera para identificar as pessoas que entram e saem da loja e com isto registrar as impressões dos clientes e criar um gráfico de satisfação de acordo com suas expressões faciais. Conexão wi-fi, possibilitando a identificação do fluxo de clientes e criar mapa de calor da loja. Mobile voucher para trazer mais fluxo para a loja. Totem com catálogo virtual, possibilitando ter disponível todo o estoque para comprar virtualmente. Outro totem de sugestão de produtos através da Inteligência Artificial, uma “consultoria personalizada” com a leitura do corpo do cliente (a pessoa, roupas, cores usadas, emoção) com análise do seu perfil para sugerir produtos disponíveis no estoque que combinem com ele. Tem ainda pagamento através do reconhecimento facial, catálogo com Realidade Aumentada e até gestão de produto através da Inteligência Artificial. Outras soluções também foram apresentadas e estão se encaminhando para as tendências já existentes em lojas como a Amazon Go (comentado no artigo https://blog.ideiamais.com.br/omnichannel-a-experiencia-do-consumidor/) e do Grupo Alibaba (que pode ser visto no artigo http://www.stylourbano.com.br/adeus-filas-alibaba-lanca-supermercado-futurista-com-pagamento-por-reconhecimento-facial/).

Ainda em tecnologia, outro ponto importante abordado pelo Andreas Blazoudakis, cofundador da Movie, Delivery Center e PlayKids, foi que as maiores inovações estão vindo da China e não mais dos EUA. O conceito Chinês O2O (online-to-offline), oferta de produtos ou serviços do virtual para o físico, está ganhando força, facilitando pagamento, conveniência, rapidez e gerando experiência. O aplicativo chinês WeChat é um fenômeno O2O (maiores informações sobre ele podem ser vistas em: https://infogram.com/o-fenomeno-wechat-1hkv2n7rqxpz6x3) e as empresas deveriam investir em serviços mobile e não em apps especificamente. O mobile não é somente um canal individual, mas um conector do mundo físico e digital.

Outro que também comentou das experiências chinesas foi Vinícius Ghise, da Global AD. No dia 11/11, dia dos solteiros, o Alibaba.com, maior site de e-commerce do mundo, fez uma campanha que vendeu mais que o Black Friday e Cyber Monday juntos. Para conseguir este resultado a empresa criou ações de pré-vendas, gerando expectativas, monitoraram o tráfego e o interesse dos consumidores. Ao coletar e monitorar os hábitos dos consumidores é possível gerar valor a partir dos dados. O que as empresas precisam é ter pessoas capacitadas para analisar os dados e tomar as decisões para se manterem competitivas no mercado.

Em termos de experiência para o consumidor, Caio Poli, da 99, falou como as tecnologias revolucionaram a forma como os clientes se relacionam com as empresas, e como as empresas passaram a tratar de seus públicos. A tecnologia traz conveniência, melhor experiência e ajuda a surpreender seus clientes, entretanto, é preciso conhecê-los a fundo para tomar as decisões corretas. Além disto, a empresa precisa criar o seu propósito, ter valores e cultura fortes e disseminados, e ter processos para garantir o crescimento.

Ainda dentro da linha de experiência, Martha Gabriel, escritora e consultora, aconselha que os lojistas transformem suas lojas em um parque de diversões, citando como exemplo o parque da Disney, onde os produtos são souvenires. O tema de sua palestra foi “Neurobusiness: usando o cérebro para alavancar o seu negócio”, mostrando como o cérebro funciona e o que as pessoas podem fazer para aproveitar melhor as atividades conscientes e inconscientes, utilizando melhor os gatilhos mentais.

Em relação ao lado humano, toda esta tecnologia não pode fazer com que as pessoas esqueçam-se do desejo de se relacionar, das histórias, dos sentidos, da humanização. Pensando nisto, Ronaldo Fraga, estilista, criou o Grande Hotel, que na verdade não é um hotel, mas uma loja onde os hóspedes não são as pessoas, mas sim roupas, ideias e outros serviços, como barbearia, cafeteria, livraria, o piano para os saraus, feira de produtos orgânicos, enfim diversas marcas e serviços que dialogam com a loja. A proposta é uma experiência inovadora e humana, onde os clientes poderão ouvir música, tomar café e até comprar roupas.

A energia e paixão foram abordadas pelo José Galló, diretor-presidente das Lojas Renner. Com otimismo, comentou que o consumidor está pronto para comprar, que o índice de confiança subiu. No entanto, reforça que as lojas precisam ter pessoas engajadas e que os clientes precisam ser encantados. Assim como comentado na palestra de Caio Poli, para Galló a tecnologia e a inovação estão aí para ajudar os lojistas e os consumidores, porém as empresas precisam ter estratégias de negócio, com valores e posicionamento bem definidos, pessoas valorizadas e diferenciais competitivos para se manterem com crescimento no mercado. Além disto, é preciso que se tenha o mindset de crescimento.

Já para Felipe Anghinoni, da Perestroika, o mantra é “vai lá e faz!”. Nunca foi tão fácil fazer, mas é preciso fazer o básico e ir à luta, agir, sair da zona de conforto para adquirir conhecimento e experiência. Considera ser importante planejar, porém, que não e possível esperar, mas sim se envolver com o que tem que ser feito, agir e acompanhar as mudanças.

Estes foram apenas alguns tópicos abordados em algumas das palestras apresentadas nesta edição da FBV e uma breve visão da loja do futuro, que considero importante repassar para identificar oportunidades e tendências do varejo. Acompanhar as mudanças é fundamental para a excelência dos seus negócios.

Aline Autran de Morais

Mestre em Administração com linhas de pesquisa em Omnichannel; Inovação em Marketing para o varejo; Marketing Digital; Gestão de Fornecedores. Especialização em Marketing, MBA em Gestão de Varejo e Gestão Empresarial. Mais de 20 anos de experiência em varejo de moda, tendo atuado como Gerente de Produto e Gerente de Gestão de Fornecedores na Lojas Renner, Gerente de Supply e Operações na Uatt?. Sócia-proprietária da Ideiamais. Professora UniRitter e ESPM Sul.